TÍTULO: A CURA DA NAÇÃO PELO PODER INTERCESSÓRIO DO POVO DE DEUS – II CRÔNICAS 7.14 – PARTE 3

Você está visualizando atualmente TÍTULO: A CURA DA NAÇÃO PELO PODER INTERCESSÓRIO DO POVO DE DEUS –  II CRÔNICAS 7.14 – PARTE 3

PALAVRA IGREJA BATISTA DO VALE – OUTUBRO DE 2015 – CULTO DE DOMINGO – PR. JOSÉ RIBEIRO NETO, pastor da Igreja Batista do Vale, São Paulo, SP. Pós-doutorando no DLO, USP. Doutor e Mestre em Estudos Judaicos, USP.

TEXTO: II CRÔNICAS 7.11-22

TÍTULO: A CURA DA NAÇÃO PELO PODER INTERCESSÓRIO DO POVO DE DEUS – PARTE III

INTRODUÇÃO

TOGNINI, Enéas. II Crônicas 7:14. São Paulo: Edições Enéas Tognini, 1974, p. 49-50

Oswald Smith (O Reavivamento de que precisamos, p. 9) conta a inestimável bênção que foi o avivamento do País de Gales, em 1904:

“Foi em 1904. Todo o País de Gales estava como que em chamas. A nação tinha-se afastado de Deus. 

As condições espirituais eram de nível bastante baixo. A frequência dos fiéis na igreja, medíocre. O pecado grassava por todos os lados.

De repente, como se fôsse um tornado que ninguém esperava, o Espírito de Deus varreu aquela região. As igrejas começaram a encher-se de tal modo que as multidões não podiam entrar. As reuniões começavam às dez e meia da manhã e iam até meia-noite. O instrumento humano dessas manifestações era EVAN ROBERTS, apesar de pregar muito pouco. O trabalho consistia principalmente em cânticos, testemunhos e oração.. Também não havia livros de hinos, porque os cânticos tinham sido aprendidos na infância. Não havia necessidade de côro porque todos cantavam, não havia coletas e não se faziam anúncios.

Jamais havia ocorrido coisas assim, com resultados de tão grande alcance, no País de Gales. Os infiéis convertiam-se, pessoas dominadas pelo hábito da embriaguês, gatunos eram salvos; milhares de pessoas se reabilitavam, passando a viver respeitavelmente. Pagavam-se dívidas antigas. Até os animais nas minas de carvão mostravam-se completamente diferentes, por não estarem acostumados aos bons tratos. Dentro de cinco semanas 20.000 pessoas se uniram às igrejas”.

AF. TEOL.: DEUS QUER USAR O PODER INTERCESSÓRIO DE SEU POVO PARA CURAR A NAÇÃO

SENT. TRANS.: HÁ NESSE TEXTO TRÊS MOMENTOS IMPORTANTES PARA A CURA DA NAÇÃO QUE MEDITAREMOS NESSA SÉRIE DE PREGAÇÕES:

NESSA ÚLTIMA MENSAGEM DESSA SÉRIE DE TRÊS MENSAGENS, GOSTARIA QUE MEDITÁSSEMOS NO ÚLTIMO MOMENTO, QUE ENVOLVE TRÊS ASPECTOS DO AGIR DE DEUS PARA A CURA DA NAÇÃO:

1.º ASPECTO DO AGIR DE DEUS: ELE DIZ: EU OUVIREI DOS CÉUS

Como assim eu ouvirei? Sendo Deus onisciente ele já não ouve tudo?

–   Como dissemos anteriormente: Não são todas as orações que são ouvidas por Deus!

  • Claro que Deus ouve tudo, pois ele é onisciente, significa que ele tudo conhece, tudo sabe, porém Deus utiliza-se na Escritura de linguagem humana para que possamos entender
  • Quando a Bíblia diz que Deus não ouvirá, significa que Ele não dará atenção, não responderá;
  • O fato de Deus ouvir, significa que ele atenderá a oração, que ela será respondida;
  •  A expressão hebraica aqui em II Cr 7.14 para “ouvirei” אֶשְׁמָ֑ע ocorre outras 14 vezes na Bíblia Hebraica , os contextos que essa expressão ocorre revelam pontos importantes do agir de Deus:
  • Deus ignora a oração dos rebeldes e dos que desobedecem sua palavra
  • Em Ez  8.17-18 lemos:

17 Então me disse: Vês isto, filho do homem? Há porventura coisa mais leviana para a casa de Judá, do que tais abominações, que fazem aqui? Havendo enchido a terra de violência, tornam a irritar-me; e ei-los a chegar o ramo ao seu nariz. 18 Por isso também eu os tratarei com furor; o meu olho não poupará, nem terei piedade; ainda que me gritem aos ouvidos com grande voz, contudo não os ouvirei.[1]

  •  

– Ele ouve o contrito, o abatido de espírito, o Salmo 102.17 diz que ele atenderá a oração do desamparado, O Salmo 51.17 diz:

Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.

– A chamada teologia liberal protestante cometeu o grande erro de paganizar a fé cristã ao assumir um Deus totalmente imanente, o que significa isso, significa que teólogos pouco alinhados com a Bíblia desequilibraram o conceito bíblico de imanência e transcendência;

– A imanência diz respeito à presença de Deus em todos os lugares, ao exagerarem a imanência os teólogos liberais confundiram Deus com a natureza.

– Na primeira encíclica papal chamada “Laudato Si”, “louvado seja”, expressão tirada de um outro Franciso, São Francisco de Assis, o papa Francisco desenvolve todo um argumento ecológico evocando a unidade de todos os seres humanos com a natureza;

– A encíclica tem mais de paganismo do que de cristianismo, em que o Pai Onipotente é substituído pela “mãe terra”, conceito presente no paganismo grego, no conceito de “gaia”.

– Diferente desse cristianismo paganizado de nossos dias devemos entender a outra parte do verso “dos céus”;

– “dos céus” significa que Deus não é totalmente imanente, mas que junto com a Sua imanência, ou seja, sua presença na natureza, no mundo e em nós, Ele é transcendente, o Salmo 113.4-6 nos ensina sobre essa transcendência:

4 Exaltado está o SENHOR acima de todas as nações, e a sua glória sobre os céus. 5 Quem é como o SENHOR nosso Deus, que habita nas alturas? 6 O qual se inclina, para ver o que está nos céus e na terra!

– Peter Jones, em seu livro “A ameaça pagã: velhas heresias para uma nova era” alerta no capítulo 10 desse livro que está se criando “um novo Deus para uma nova ordem mundial”, esse novo deus deve ser imanente, a deidade desse nova deus está em tudo;

– Sem saber, os próprios evangélicos estão criando um deus totalmente imanente em suas práticas e hinos que fazem de Deus um igual,

– Millard J. Erickson, em sua Teologia Sistemática, lançada no Brasil nesses meses, nos diz o seguinte sobre uma das implicações da transcendência de Deus:

A reverência é apropriada em nosso relacionamento com Deus. Alguns tipos de adoração, ressaltando acertadamente a alegria e a confiança que o crente tem no relacionamento com um Pai amoroso, vão além desse ponto, chegando a uma forma excessivamente familiar em que Deus é tratado como um igual ou, pior, como um servo. Se, no entanto, conseguirmos captar o fato da transcendência divina, isso não acontecerá. Mesmo havendo espaço e necessidade de se expressar com entusiasmo e, talvez, até com exuberância, isso jamais deve levar à perda do respeito.

– Em termos práticos, Deus está nos céus e nós na terra, Ele é o altíssimo, o supremo, a Sua presença enche a terra, mas há um lugar em que Sua presença é mais atuante e há momentos em que ele se faz mais atuante no meio do seu povo;

– O povo que se chama pelo seu nome, precisa se humilhar, orar, buscar a face de Deus, para que Ele ouça, atenda, responda a oração, doo céu, lugar de sua habitação;

– A nossa intimidade com Deus se limita à Sua transcendência, precisamos entender que o acesso que temos a Ele por meio de Jesus Cristo não excluí a necessidade de arrependimento genuíno, de intensa oração e clamor para que Ele mova seus ouvidos em nossa direção e dos céus nos responda.

– Precisamos entender que a nossa oração tem que alcançar os céus, tem que fazer os ouvidos de Deus estarem atentos ao nosso clamor.

2.º ASPECTO DO AGIR DE DEUS: ELE DIZ: PERDOAREI OS SEUS PECADOS

– Falar em pecado nos nossos dias é até “pecado”;

– As pessoas não se veem como pecadoras, elas têm a falsa noção de que não têm falhas;

– Se são pegas no próprio ato do pecado vão inventar uma parabólica história para se justificarem;

– Alguém já disse que não se pede mais desculpas ou perdão, membros e líderes de igreja erram descaradamente e não se retratam, não se arrependem verdadeiramente, não se humilham;

– Num mundo tão cheio de violência, prostituição, drogas, corrupção, curiosamente se mostra como o melhor dos mundos possíveis;

– Como Deus perdoará os pecados de uma nação que acha que não tem pecados?

– Certo pastor disse que pais vieram até ele reclamar que ele estava falando muito sobre o pecado e que isso estava incomodando os seus filhos;

– Não é que Deus tenha dificuldade de perdoar, não significa que há pecado grande demais que não possa ser perdoado por Deus, significa que as pessoas não reconhecem que são pecadoras e assim não se arrependem e não podem ser perdoadas;

– O teólogo Asa Routh Crabtree faz a importante afirmação de que:

CRABTREE, Asa Routh. Teologia do Velho Testamento. 5ª. Ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1991, p. 149.

– Não devemos nos conformar com essa visão anti-bíblica do homem, essa visão pagã de que o homem é o centro de todas as coisas, de que o homem é um deus;

– O homem é miserável pecador nas mãos de um Deus irado, conforme bem pregou o grande avivalista Pr. Jonathan Edwards, em seu famoso sermão “Pecadores nas mãos de um Deus irado” em 08 de julho de 1741;

– Como já disse em outra ocasião, perceber a ira de Deus, sua justiça contra o pecado, é perceber também sua infinita misericórdia, esse contraste é percebido no texto de Isaías 1:15-20

15 Por isso, quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos; e ainda que multipliqueis as vossas orações, não as ouvirei, porque as vossas mãos estão cheias de sangue. 16 Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade de vossos atos de diante dos meus olhos; cessai de fazer mal. 17 Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas. 18 Vinde então, e argüi-me, diz o SENHOR: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã. 19 Se quiserdes, e obedecerdes, comereis o bem desta terra. 20 Mas se recusardes, e fordes rebeldes, sereis devorados à espada; porque a boca do SENHOR o disse.

– Oremos por nossa nação pecadora, corrupta e idólatra, ainda que essa nação não reconheça o seu pecado, ainda que não queira se arrepender, o povo de Deus deve se colocar como atalaia, como arauto de um Deus santo;

– Deus está pronto a perdoar, está com os braços estendidos, ele promete “ouvir dos céus, perdoar os nossos pecados”, busquemos esse ouvir de Deus, busquemos esse perdão para nós e para nossa nação.

3.º ASPECTO DO AGIR DE DEUS: ELE DIZ: SARAREI A SUA TERRA

– O Financial Times acha que o Brasil é um doente em estado terminal, porém a análise do jornal britânico é puramente sobre a economia brasileira;

– É certo que a economia afeta a todos e quando está mal atinge todas as áreas de uma nação;

– Eu não sei os irmãos, mas eu não suporto mais assistir os jornais atuais, há um coro único girando em torno dos problemas econômicos brasileiros, uma repetição ad infinitum de especialistas em finanças;

– Mas o mau do mundo não é econômico, a riqueza acumulada por indivíduos únicos daria para sustentar nações durante anos;

– Entre os bilionários brasileiros de 2015 está um líder neopentecostal que dispensa ser citado o nome, com 1,1 bilhão; a minha mente não consegue alcançar o quanto dinheiro é isso!

– A doença do Brasil não é econômica, é espiritual; há uma batalha espiritual nessa nação desde que ela foi fundada;

– O protestantismo sempre sofreu perseguições do catolicismo português;

– O historiador Boanerges Ribeiro observa que:

 “ao iniciar-se o século XIX, não havia no Brasil vestígio de protestantismo” (Protestantismo no Brasil monárquico, p. 15)

in: < http://www.mackenzie.br/6994.html > acesso em 18 out. 2015

– Movimentos missionários surgiram entre 1835-1889

– em 1910 com o avivamento pentecostal e em 1954, com o Pastor Batista José Rego do Nascimento e em1958 com a Renovação Batista iniciada pelo Pastor Enéas Tognini, iniciou-se um grande período de renovação espiritual nesse país;

– O diabo, porém, vive apagando o fogo do reavivamento, tanto em outros lugares do mundo como no Brasil;

– O movimento pentecostal se esfriou por diversas divisões internas, busca de poder temporal e envolvimento político;

– O movimento neopentecostal que incialmente tinha boas propostas, um modelo de evangelismo em massa, o uso midiático para propostas de conversão se tornou mais um modelo empresarial de enriquecimento baseado na exploração da fé alheia;

– Movimentos de crescimento de igreja acabaram causando somente divisões que diluíram a unidade das igrejas, inclusive em nossa convenção;

– Hoje vive-se a secularização do evangelho em pregadores e cantores “gospel”;

– Os cantores são vistos pelo mundo como mais um estilo musical para um nicho de mercado evangélico;

– Os pregadores são visto como um grupo entre muitos palestrantes de autoajuda;

– Crescem os desigrejados e os decepcionados com igreja;

– Cresce o pecado e a secularização dentro das próprias igrejas evangélicas;

– Já não se distingue um jovem evangélico de um mundano em nenhum aspecto, nem visualmente nem moralmente;

– A nação está doente porque as instituições eclesiásticas chamadas igrejas estão doentes;

– Mas Deus pode e quer sarar essa nação, ah se o Povo de Deus acordar dessa ilusão, ah se o povo se levantar como nação de Deus;

– É preciso crer que Ele sarará, é preciso crer que Ele ouvirá dos céus, que perdoará nossos pecados e sarará a nossa terra;

CONCLUSÃO

Concluindo essa série de três mensagens, precisamos praticar os ensinamentos do texto:

Há três momentos importantes destacados no texto:

No primeiro momento: Precisamos nos levantar como Povo de Deus e nos humilharmos

No segundo momento: Precisamos orar, buscar a face de Deus e nos convertermos dos nossos maus caminhos

No terceiro momento: Temos as ações de Deus, o que ele fará depois de obedecermos:

            Ouvirá dos céus

            Perdoará os pecados da nação

            Sarará a nossa terra


[1] Negritos nossos